Aula 01 – Introdução ao Tarô

Anos atrás, quando contei ao meu irmão que estava estudando tarô, seu primeiro comentário foi: “Como um baralho de cartas pode lhe dizer alguma coisa sobre alguma coisa?” Eu ri porque pensei que sua resposta resumia muito bem a visão de bom senso das cartas. Eu também tinha dúvidas sobre o tarô, mas descobri que as cartas podem fazer uma grande diferença na maneira como você percebe e lida com os desafios da sua vida. Nesta introdução, tentarei explicar o porquê.

A origem do tarô é um mistério. Sabemos com certeza que as cartas eram usadas na Itália no século XV como um popular jogo de cartas. Patronos ricos encomendaram belos decks, alguns dos quais sobreviveram. O Visconti-Sforza , criado em 1450 ou pouco depois, é um dos mais antigos e completos.

Mais tarde, nos séculos XVIII e XIX, as cartas foram descobertas por vários estudiosos influentes do ocultismo. Esses senhores ficaram fascinados pelo tarô e reconheceram que as imagens nas cartas eram mais poderosas do que um simples jogo poderia sugerir. Eles revelaram (ou criaram!) a “verdadeira” história do tarô conectando as cartas aos mistérios egípcios, à filosofia hermética, à Cabala, à alquimia e a outros sistemas místicos. Estas atividades continuaram até o início do século XX, quando o tarô foi incorporado às práticas de diversas sociedades secretas, incluindo a Ordem da Golden Dawn.

Embora as raízes do tarô estejam na tradição oculta, o interesse pelas cartas expandiu-se nas últimas décadas para incluir muitas perspectivas diferentes. Foram criados novos decks que refletem esses interesses. Existem baralhos de nativos americanos , de ervas , de dragão e japoneses , entre outros.

O tarô é mais comumente visto como uma ferramenta de adivinhação. Uma leitura de tarô tradicional envolve um buscador – alguém que procura respostas para perguntas pessoais – e um leitor – alguém que sabe interpretar as cartas. Depois que o buscador embaralha e corta o baralho, o leitor distribui as cartas escolhidas em um padrão chamado propagação. Cada posição no spread tem um significado e cada carta também tem um significado. O leitor combina esses dois significados para esclarecer a questão do buscador.

[foto da carta da Morte]Um processo simples, mas raramente apresentado de forma simples. Nos filmes, sempre vemos o tarô sendo usado em uma sala decadente ou em um quarto dos fundos. Uma velha, sentada nas sombras, lê as cartas para uma jovem nervosa. A velha levanta o dedo enrugado e o deixa cair ameaçadoramente na carta da Morte . A garota recua, assustada com o sinal de sua desgraça iminente.

Essa aura de escuridão ainda está presente nas cartas de tarô. Algumas religiões evitam as cartas e o establishment científico condena-as como símbolos de irracionalidade, um resquício de um passado não esclarecido. Deixemos de lado essas imagens sombrias por enquanto e consideremos o tarô simplesmente pelo que ele é: um baralho de cartas ilustradas. A questão é: o que podemos fazer com eles?

A resposta está no inconsciente – aquele nível profundo de memória e consciência que reside dentro de cada um de nós, mas fora da nossa experiência cotidiana. Embora ignoremos a ação do inconsciente na maior parte do tempo, ela afeta profundamente tudo o que fazemos. Em seus escritos, Sigmund Freud enfatizou o aspecto irracional e primitivo do inconsciente. Ele pensava que era o lar dos nossos desejos e impulsos mais inaceitáveis. Seu contemporâneo Carl Jung enfatizou o aspecto positivo e criativo do inconsciente. Ele tentou mostrar que tem um componente coletivo que toca qualidades universais.

Talvez nunca conheçamos toda a extensão e poder do inconsciente, mas existem maneiras de explorar sua paisagem. Muitas técnicas foram desenvolvidas para esse fim – psicoterapia, interpretação de sonhos, visualização e meditação. O tarô é outra ferramenta desse tipo.

[foto de 5 espadas]

Considere por um momento uma carta típica do baralho de tarô, o Cinco de Espadas . Esta carta mostra um homem segurando três espadas e olhando para duas figuras à distância. Duas outras espadas estão no chão. Ao olhar para este cartão, começo a criar uma história em torno da imagem. Vejo um homem que parece satisfeito com alguma batalha que venceu. Ele parece bastante presunçoso e satisfeito por ter todas as espadas. Os outros parecem abatidos e derrotados.

O que fiz foi pegar uma imagem aberta e projetar uma história nela. Para mim, a minha visão é a óbvia – a única interpretação possível desta cena. Na verdade, outra pessoa poderia ter imaginado uma história totalmente diferente. Talvez o homem esteja tentando pegar as espadas. Ele está chamando os outros para ajudá-lo, mas eles recusam. Ou talvez os outros dois estivessem brigando e ele os convenceu a depor as armas.

A questão é que, de todas as histórias possíveis, escolhi uma determinada. Por que? Porque é da natureza humana projetar material inconsciente em objetos do ambiente. Sempre vemos a realidade através de lentes feitas de nosso próprio estado interior. Os terapeutas há muito notaram essa tendência e criaram ferramentas para auxiliar no processo. O famoso
teste de mancha de tinta de Rorschach é baseado nessa projeção.

A projeção é uma das razões pelas quais as cartas de tarô são valiosas. Suas imagens e padrões intrigantes são eficazes para explorar o inconsciente. Este é o aspecto pessoal do tarô, mas as cartas também possuem um componente coletivo. Como humanos, todos nós temos certas necessidades e experiências comuns. As imagens nas cartas de tarô capturam esses momentos universais e os desenham de forma consistente. As pessoas tendem a reagir às cartas de maneira semelhante porque representam arquétipos. Ao longo de muitos séculos, o tarô evoluiu para uma coleção dos padrões mais básicos do pensamento e da emoção humana.

[foto da Imperatriz]Considere a Imperatriz. Ela representa o Princípio Mãe – a vida em toda a sua abundância. Observe como a imagem dela evoca sentimentos de exuberância. Ela está sentada em travesseiros macios e exuberantes, e seu roupão flui em dobras ao seu redor. Na Imperatriz, sentimos a generosidade e a riqueza sensual da Natureza.

O poder do tarô vem dessa combinação do pessoal e do universal. Você pode ver cada carta à sua maneira, mas, ao mesmo tempo, é apoiado por entendimentos que outros consideraram significativos. O tarô é um espelho que reflete para você os aspectos ocultos de sua consciência única.

Quando fazemos uma leitura de tarô, selecionamos certas cartas embaralhando, cortando e distribuindo o baralho. Embora esse processo pareça aleatório, ainda presumimos que as cartas que escolhemos são especiais. Afinal, este é o objetivo de uma leitura de tarô – escolher as cartas que devemos ver. Agora, o bom senso nos diz que as cartas escolhidas ao acaso não podem ter nenhum significado especial, ou podem?

Para responder a essa pergunta, vamos examinar a aleatoriedade mais de perto. Normalmente dizemos que um evento é aleatório quando parece ser o resultado da interação casual de forças mecânicas. De um conjunto de resultados possíveis – todos igualmente prováveis ​​– ocorre um, mas sem nenhuma razão específica.

Esta definição inclui duas suposições fundamentais sobre eventos aleatórios: eles são o resultado de forças mecânicas e não têm significado. Primeiro, nenhuma leitura de tarô é apenas produto de forças mecânicas. É o resultado de uma longa série de ações conscientes. Decidimos estudar o tarô. Compramos um baralho e aprendemos a usá-lo. Embaralhamos e cortamos as cartas de uma certa maneira em um determinado ponto. Finalmente, usamos nossas percepções para interpretar as cartas.

Em cada etapa, estamos ativamente envolvidos. Por que então somos tentados a dizer que uma leitura é “a interação casual de forças mecânicas”? Porque não podemos explicar exatamente como a nossa consciência está envolvida. Sabemos que nossas escolhas de cartas não são deliberadas, por isso as chamamos de aleatórias. Na verdade, poderia haver um mecanismo mais profundo em ação, ligado ao poder do nosso inconsciente? Será que os nossos estados interiores poderiam estar ligados a acontecimentos exteriores de uma forma que ainda não compreendemos completamente? Eu estendo essa possibilidade para você.

A outra característica de um evento aleatório é que ele não possui significado inerente. Eu jogo um dado e obtenho um seis, mas esse resultado não tem propósito. Eu poderia facilmente lançar um e o significado seria o mesmo – ou seria? Sabemos realmente que esses dois resultados são iguais? Talvez haja significado e propósito em cada evento, grande ou pequeno, mas nem sempre o reconhecemos.

Em uma festa, há muitos anos, tive a súbita vontade de pegar um dado que estava no chão. Eu sabia com grande convicção que usaria esse dado para lançar cada número individualmente. Quando comecei, as risadas e o barulho da festa desapareceram. Senti uma excitação crescente à medida que um número diferente aparecia a cada lançamento. Foi somente com o último lançamento bem-sucedido que minha consciência cotidiana retornou e eu recostei-me, imaginando o que havia acontecido.

Em um nível, esses seis lançamentos foram eventos aleatórios e não relacionados, mas em outro nível, eles foram muito significativos. Minha experiência interior me disse que era assim, mesmo que um observador externo pudesse não concordar. Qual foi o significado? Na época, foi uma lição sobre a estranha interação entre mente e matéria. Hoje, sei que tinha outro propósito – estar disponível para mim agora, muitos anos depois, como ilustração para esta mesma lição!

O significado é uma qualidade verdadeiramente misteriosa que surge na conjuntura das realidades internas e externas. Há uma mensagem em tudo… nas árvores, nas músicas, até no lixo… mas apenas quando estamos abertos para percebê-la. As cartas de tarô transmitem muitas mensagens pela riqueza de suas imagens e conexões. Mais importante ainda, as leituras de tarô comunicam significado porque trazemos a elas o nosso desejo sincero de descobrir verdades mais profundas sobre as nossas vidas. Ao procurar significado desta forma, honramos a sua realidade e damos-lhe a oportunidade de ser revelada.

Se há um significado numa leitura, de onde ele vem? Acredito que vem daquela parte de nós mesmos que está consciente da fonte divina do significado. Este é um aspecto do inconsciente, mas é muito mais. Atua como um conselheiro sábio que nos conhece bem. Ele entende o que precisamos e nos leva na direção que precisamos seguir. Algumas pessoas chamam esse conselheiro de alma, superconsciente ou eu superior. Eu o chamo de Guia Interior porque é esse o papel que desempenha em relação ao tarô.

Cada um de nós tem um Guia Interior que serve como fonte de significado para nós. Seu Guia Interior está sempre com você porque faz parte de você. Você não pode destruir esta conexão, mas pode ignorá -la. Ao pegar seu baralho de tarô, você sinaliza ao seu Guia Interior que está aberto à sua sabedoria. Este simples ato de fé permite que você tome consciência da orientação que sempre esteve ao seu lado.

A natureza nos destina a confiar na sabedoria do nosso Guia Interior, mas de alguma forma esquecemos como acessá-lo. Em vez disso, confiamos em nossas mentes conscientes e esquecemos de olhar mais profundamente. Nossas mentes conscientes são inteligentes, mas, infelizmente, elas simplesmente não têm a plena consciência de que precisamos para fazer escolhas apropriadas no dia a dia.

Quando operamos a partir de nossas mentes conscientes, muitas vezes sentimos como se os eventos nos fossem impostos pelo acaso. A vida parece ter pouco propósito e sofremos porque não entendemos realmente quem somos e o que queremos. Quando sabemos como acessar nosso Guia Interior, vivenciamos a vida de forma diferente. Temos a certeza e a paz que advêm do alinhamento da nossa vontade consciente com o nosso propósito interior. Nosso caminho se torna mais alegre e vemos mais claramente como reunimos os elementos dispersos de nossas vidas para cumprir nossos destinos.

Eu uso o tarô porque é uma das melhores ferramentas que encontrei para tornar os sussurros do meu Guia Interior mais disponíveis de forma consciente. As ideias, imagens e sentimentos que surgem à medida que faço uma leitura são uma mensagem do meu Guia Interior. Como posso saber que há uma mensagem e que não é apenas minha imaginação? Eu não, realmente. Só posso confiar na minha experiência e ver o que acontece.

Você realmente não precisa do tarô para acessar seu Guia Interior. As cartas têm a mesma função da pena mágica de Dumbo. No filme da Disney,
Dumbo, o Elefante, realmente conseguia voar sozinho, mas não acreditou. Ele depositou toda a sua fé na pena especial que segurava em seu baú. Ele pensou que esta pena lhe dava o poder de voar, mas descobriu o contrário quando ela explodiu e foi forçado a recorrer aos seus próprios recursos.

As cartas do tarô podem ajudá-lo a voar até que você alcance seu Guia Interior por conta própria. Não se preocupe agora sobre como isso pode acontecer. Basta brincar com as cartas, trabalhar nas lições e exercícios e ver se você não tem algumas surpresas.

Acesse o Exercícios da Aula 01 – Introdução ao Tarot .

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *